Condomínio algarvio com painéis solares Vulcano

A Vulcano vai equipar o novo condomínio de luxo Vale de Parra Village, junto às praias da Galé e Salgados, em Albufeira, com soluções solares térmicas próprias. O objectivo é captar energia solar de modo a aquecer as águas sanitárias dos 38 apartamentos, com piscina exterior, que compõem o referido condomínio.

A Vulcano, que concebeu o projecto com a Releve Energia, de Faro, irá assim instalar um Termossifão em cada uma das casas e confia no seu “óptimo desempenho”, uma vez que as soluções térmicas estarão expostas à luz do sol ao longo de todo o ano, ao contrário do que acontece em outras regiões do país, menos beneficiadas pelo clima.

O aquecimento de águas representa, em média, metade da energia gasta numa habitação, pelo que se espera que este projecto venha a trazer uma grande poupança na factura eléctrica do novo empreendimento. A Vulcano, explica ainda que o ambiente também sairá beneficiado, uma vez que a emissão de gases nocivos para a atmosfera será reduzida.

Paineis solares mantém edifícios mais frescos

De acordo com um estudo recente, descobriu-se que os painéis solares reduzem a amplitude térmica dos edifícios. Os prédios com os terraços ou os telhados cobertos por painéis solares mantêm-se significativamente mais frescos durante o dia e não têm tantas perdas de calor à noite.

A redução do calor explica-se pelo facto de os painéis fazerem sombra às construções e impedirem que a radiação chegue até aos telhados. Se houver um espaçamento entre os painéis e o telhado, para o ar circular, a redução do calor pode, inclusivamente, chegar aos 38%.

Através de imagens térmicas, a investigação, publicada no portal Science Daily concluiu que este tipo de equipamento torna os edifícios mais eficientes energeticamente, reduzindo os eventuais custos energéticos de arrefecimento no Verão e os custos de aquecimento no Inverno.

Melhorar a captação de energia solar com nano partículas

Investigadores da Universidade do Estado do Arizona, nos Estados Unidos, desenvolveram uma técnica que pode melhorar a captação de energia solar através do o uso de nano partículas de grafite, mil vezes menos espessas que um fio de cabelo.

O estudo foi divulgado no Journal of Renewable and Sustainable Energy, e informa que as células fotovoltaicas, que constituem os painéis solares, conseguem aproveitar apenas parte da energia do Sol para gerar electricidade, já que a maioria é perdida sob a forma de calor.

Uma alternativa para aproveitar a radiação solar são os painéis térmicos. O objectivo desta tecnologia é usar o calor para aquecer a água e gerar vapor, por exemplo, que pode usado para aquecer as casas ou introduzido em turbinas para gerar electricidade. Quando as nano partículas de grafite são integradas nos painéis, a capacidade do equipamento para captar energia do Sol aumenta mais de 10%.

Segundo os cientistas norte-americanos, a grafite é barata, porque uma grama do material custa apenas um dólar (cerca de 0,69 euros). Com apenas 100 gramas de nano partículas, é possível captar a energia solar absorvida por um campo de futebol.

A equipa responsável por este estudo calcula que o uso de nano partículas poderia economizar cerca de 2,4 milhões de euros numa instalação solar com 100 megawatts de potência. Curiosamente, é possível aproveitar nano partículas a partir da fuligem das centrais termoeléctricas a carvão.

← Página anteriorPágina seguinte →