Tenha uma casa mais “amiga do ambiente”

As energias renováveis são uma realidade dos dias de hoje e constituem uma alternativa crescentemente viável, pela qual os portugueses começam a enveredar, sobretudo desde que o Governo anunciou e aplicou os planos de ajuda ao financiamento na compra destes equipamentos. Foi a partir deste momento que as empresas nacionais do sector registaram vendas recorde, muito embora tenham estabilizado, chegaram a esta fixação quando se compara a comercialização actual com a de há um, dois anos atrás, pois relativamente há três, quatro ou mesmo cinco anos, os números são substancialmente mais elevados.

É certo que ter um sistema de produção energética alternativo aos combustíveis fósseis não se encontra acessível a qualquer pessoa, este é o argumento mor para que haja aquisições “contidas” destes produtos em Portugal. Contudo, actualmente existem múltiplas alternativas para contornar essa dificuldade, desde o financiamento de entidades bancárias, ao crédito especializado de empresas deste ramo de actividade.

Apesar de existirem diferenças no tipo de apoio que pode ser recolhido, e antes mesmo de avançar para essa tarefa, tem de haver uma noção aproximada de quanto poderá custar um sistema que permita a produção de energias renováveis, mas igualmente definir o que se pretende retirar desses mesmos sistemas e para que finalidade se querem. São estas as características, a definir à partida, que determinaram o que adquirir, permitindo assim avaliar as despesas inerentes à sua compra, e consequentemente saber a quantia necessária que terá de ser pedida.

A primeira coisa que há que ter em conta, no momento precedente à aquisição, é se desejamos produzir calor ou energia eléctrica. Este é um factor crucial, que faz o valor oscilar entre os 10/15 mil euros e os 20/25 mil euros, mas que tem a atenuante de poder ser vendida parte da energia produzida, nomeadamente a empresas como a EDP, bem como a outras que agora estão a entrar no mercado nacional. Se pensarmos a longo prazo, será um incentivo o facto de o investimento inicialmente avultado ser recuperado, em média, após seis anos.

Se pretender aquecer a água ou climatizar o ambiente, pode escolher entre a energia geotérmica (calor da terra), biomassa (combustão de material orgânico) ou a mais comum, energia solar térmica. Os custos destes equipamentos variam consideravelmente de acordo com as características do mesmo e a preferência pela instalação técnica, mas será de contar com algo na ordem dos 15 mil euros, a média para os sistemas domésticos integrados mais solicitados em Portugal.

O montante que se possa pagar pela aquisição de equipamentos de energia renovável é algo elevado, mas pese o facto do bem que está a fazer ao Ambiente, não obstante da poupança que terá depois de compensado o investimento. A partir do momento em que este se paga, já se está só a ganhar, porque não se compra energia a terceiros, além de que se poderá ainda vender aquela que se produz em excesso. Por isso, pondere a alternativa das energias renováveis face aos combustíveis fósseis, colocando lado a lado o custo destas últimas e o investimento daquelas primeiras, considerando o retorno e inexistência dele.