Autoeuropa vai ter central de concentração solar

A Volkswagen assinou um protocolo de colaboração com a WS Energia e a Academia de Formação da Autoeuropa (ATEC) para implementação de uma central de concentração solar na unidade de Palmela.

De acordo com um comunicado emitido pela VW Autoeuropa, o equipamento que será instalado poderá concentrar até 10 megawatts e promover a racionalização e melhoramento da eficiência energética.

Numa primeira fase será instalada uma central fotovoltaica piloto nas instalações da ATEC, “onde já estão a ser desenvolvidas acções de formação qualificada na área da energia solar fotovoltaica”, refere o comunicado.

O director-geral da unidade da VW portuguesa, Andreas Hinrichs, considerou este projecto muito importante para a estratégia da construtora automóvel, pois permitirá reduzir a energia que se gasta na linha montagem.

“Do esboço de um novo carro à fase final de produção a economia de energia é um objectivo estratégico”, afirmou Andreas Hinrichs durante a cerimónia de assinatura do acordo.

Em termos comparativos é de referir que 10 megawatts de capacidade instalada poderiam alimentar mais de sete mil casas.

Projecto de Energia Solar

O Projecto Integrado de Energia Solar (PIES) vai produzir “a partir de Janeiro e até final de 2010” um milhão de painéis fotovoltaicos, segundo o empresário Alexandre Alves.

Instalada em Pego, Abrantes, num terreno com 82 hectares de área, esta nova fábrica de painéis fotovoltaicos e torres eólicas visa “agregar” toda a cadeia de produção de energia solar, e implicará um investimento global de “mais de mil milhões de euros e a criação de 1.900 postos de trabalho” até 2013.

A Governadora Civil do Distrito de Santarém, Sónia Sanfona, que hoje quis conhecer e inteirar-se do evoluir do projecto, afirmou à agência Lusa ter ficado “muito bem impressionada e até surpreendida” com a “dimensão e escala” do PIES, cujo projecto e instalações visitou. “Este é o maior projecto privado em curso no distrito de Santarém”, afirmou a governante, que sublinhou “a importância da temática” em causa no projecto PIES, o volume de investimento e o número de postos de trabalho que vai criar. “Esta temática das energias renováveis e das energias limpas constitui uma aposta central na política do Governo, pelo que a minha visita indica uma clara associação e compreensão para a importância deste projecto, bem como um sinal de motivação para a sua implementação e concretização”.

Sónia Sanfona realçou a importância de “um investimento que gera riquezas e mais-valias para a região, para o País e para o estrangeiro”, em virtude do volume de exportações previsto, e “a criação de muitos postos de trabalho, em contexto de crise”.

O projecto, a desenvolver-se em quatro fases, vai ter 40.000 painéis fotovoltaicos instalados para produção de energia limpa de auto-consumo, e a RPP Solar conta, em três anos, estar a produzir 700 megawatts e alcançar um volume de facturação de mil milhões de euros.

Segundo Alexandre Alves, promotor do projecto e presidente do conselho de administração da RPP Solar, o PIES “vai começar a produzir torres eólicas daqui a um mês”, contando hoje com “110 milhões de euros investidos e cerca de 200 colaboradores”, que trabalham “dia e noite” na criação e construção dos edifícios e infra-estruturas. E acrescenta que “em Janeiro” começa a produção “sem parar” da primeira série de um milhão de painéis solares previstos para 2010, “já com 400 colaboradores” e com cinco linhas de montagem, uma delas completamente robotizada. Um ritmo acelerado porque o mercado assim o exige”, diz, que acrescenta que no próximo ano vai introduzir no mercado painéis fotovoltaicos a 400 euros, “metade do preço que hoje se pratica”.

Com “tecnologia de ponta alemã”, nomeadamente da Siemens, “esta será a primeira fábrica integradora na área fotovoltaica e produzirá integralmente todos os componentes do painel solar”.

MARL Energia – uma das maiores centrais fotovoltaicas do mundo

Acaba de nascer em Portugal uma das maiores centrais fotovoltaicas do mundo em ambiente urbano, nas instalações do MARL em Loures.

A Central Fotovoltaica do MARL nasce de um projecto ambicioso e de elevada complexidade, promovido pela MARL, SA, que por não ter no seu objecto social a comercialização de energia eléctrica, criou uma sociedade veículo – MARL Energia – e a colocou à venda para a execução do projecto de construção, operação e manutenção. A entidade vencedora do concurso de aquisição foi o Consórcio liderado pela Fomentinvest, SGPS.

Criada em finais de 2008, a Marl ENERGIA – Central Fotovoltaica, S.A., representa um investimento de 31 milhões de euros, sendo os seus accionistas a Caixa Capital, a New Energy Fund, a Fomentinvest e a Efacec.

Em Janeiro de 2009, a Marl Energia iniciou a fase de obra que, ao contrário do habitual, terminou 2 meses antes da data prevista. Este facto resulta da eficiência do Consórcio criado para a sua execução, entre a Efacec e Elecnor, empresas que são líderes de mercado em soluções integradas de produção, transmissão e distribuição de energia, em Portugal e Espanha.

A selecção do fornecedor internacional dos painéis fotovoltaicos teve por objectivo o rigoroso cumprimento das exigências internacionais IEC, TUV e VDE, a experiência de fabrico e a garantia de elevados índices de rendimento, empresa seleccionada foi a Atersa.

Os painéis Atersa A-220 de 220 Wp instalados na Central, têm todas as aprovações internacionais (IEC, TUV e VDE) com tecnologia de silício poli cristalino (maior eficiência eléctrica e optimização do custo da central) com elevada densidade de potência, esta característica permite colocar mais W por m2, factor importante, perante as restrições de área.

Nos taludes S. João e NAC os painéis foram montados em estruturas metálicas que estão apoiadas nas pregagens efectuadas ao logo de todo o talude, em “quadriculas” de 4 por 3 metros.

No conjunto dos 11 edifícios a obra teve como maior restrição as limitações de carga das coberturas, por isso foi necessário montar os painéis em perfis de alumínio com um ângulo de 25º.

A energia gerada pelos painéis, em corrente continua, é convertida em corrente alterna pelos 59 inversores de fabrico nacional, instalados nos 24 Postos de Transformação junto aos taludes e edifícios.

Onze destes Postos de Transformação têm uma potência de 315 kVA e restantes13 potência de 250 kVA, todos interligados por uma rede de Média Tensão de 10 kV. A totalidade da energia produzida é escoada para a rede da EDP através do Posto de Seccionamento, ligado à subestação da EDP, existente nas instalações do MARL.

fonte: Marl Energia

central solar gigante para exportar electricidade nasce em Portugal

Um grupo de empresários portugueses está a estudar a construção de uma central solar gigante no Alentejo, de dois mil megawatts, destinada à exportação de electricidade verde para a Europa do Norte, e a criação de um novo cluster industrial no país, um investimento que poderá rondar os seis mil milhões de euros, avança o “Público”

Do núcleo promotor do projecto, designado Luz.On, fazem parte Mário Baptista Coelho, o homem que ergueu a central de Moura, a Fundação Calouste Gulbenkian, a Efacec e a EIPElectricidade Industrial Portuguesa, estas últimas duas entidades como parceiras tecnológicas, segundo apurou o “Público”.

A megacentral fotovoltaica de elevada concentração, de tecnologia norte-americana e alemã, é um dossier que está há vários meses em preparação. A sua instalação deverá ocupar cerca de cinco mil hectares numa zona não especificada no Alentejo, e é do conhecimento do Governo e da Comissão Europeia, que já deu o seu apoio, por a considerar de interesse europeu.

Com arranque estimado para a megacentral em 2011 e sete anos faseados de execução, a Luz.On quer seguir a estratégia que impulsionou a energia eólica no país, através da criação de uma fi leira industrial, juntando parte das empresas situadas neste sector, parte da capacidade hoje virada para o sector automóvel, nomeadamente a metalomecânica e os moldes, e a instalação industrial dos fabricantes das células solares, propriamente ditos.