Prazo para submissão de encomendas de painéis solares a terminar

Se considera adquirir painéis solares para a sua residência, e é um particular, então saiba que só tem até ao dia 31 de Dezembro de 2009 para submeter a sua encomenda e usufruir da comparticipação do Estado no valor de 1.641,70€.

Saiba que pode ainda com um sistema bem dimensionado poupar até 70% da energia necessária para o aquecimento de água que usa em sua casa. Por outro lado, a compra deste tipo de equipamentos tem um benefício fiscal associado de 30% do valor do investimento, no ano da aquisição.

Seat arranca com projecto de energia solar em 2010

A Seat deu a conhecer o projecto «Seat al Sol», que será levado a cabo a partir do início de 2010 e permitirá a geração de energia eléctrica limpa, na fábrica da marca em Martorell, num investimento que atinge os 17 milhões de euros.

Este projecto, desenvolvido em colaboração com a GA-Solar, passa pela instalação de painéis solares sobre os escritórios e a fábrica, cobrindo uma superfície de mais de 320 000 m2. Com a instalação de mais de 10 MW de painéis fotovoltaicos, o sistema irá gerar mais de 13 milhões de kW de electricidade/ano, ou seja, o equivalente à energia eléctrica necessária para 3.000 casas por ano, deixando deste modo de serem emitidas mais de 6.200 toneladas de CO2 para a atmosfera.

Em comunicado, a marca espanhola explica que este projecto é uma clara aposta tanto na redução de emissões de CO2 na atmosfera como na protecção do meio ambiente, aproveitando ao máximo o Sol e a quantidade elevada de horas que brilha na zona de Martorell e arredores.

Com este projecto, a Seat pretende não se limitar à produção de viaturas com menores níveis de emissões, diminuindo o impacto ambiental durante as fases de produção, desenvolvimento e posterior reciclagem dos seus produtos.

O investimento previsto para a implementação desta primeira fase totaliza os 17 milhões de Euros.

Quando a primeira fase estiver implementada, a estação de energia solar na fábrica da Seat em Martorell, será o segundo maior edifício com capacidade para produzir energia eléctrica em Espanha e um dos maiores da Europa.

Fagor associa-se ao Programa Solar Térmico

A Fagor associou-se ao programa de apoio ao solar térmico anunciado pelo Ministério da Economia e da Inovação, que visa a aquisição de um sistema solar térmico.

A Fagor comercializa painéis solares através da Net Plan, fornecedor de soluções integradas no sector de energia e ambiente, certificada em Qualidade, Ambiente e Segurança, de acordo com as normas NP EN ISSO 9001, NP EN ISSO 14001 e OHSAS 18001. Os equipamentos estão certificados pela SolarKeymark.

Martifer Home Energy com 500 painéis solares instalados até ao final do ano

A Martifer Home Energy espera instalar até ao final do ano 500 unidades de painéis solares, ao abrigo do programa governamental que subsidia este tipo de tecnologia, e que a empresa espera ver prolongado em 2010.

“Nos primeiros dias já tivemos cerca de 20 encomendas e temos como objectivo instalar pelo menos 500 painéis até ao final do ano”, quando termina o Programa Solar Térmico 2009, diz o administrador-delegado da Martifer Home Energy, Miguel Barreto.

O Programa Solar Térmico 2009, da iniciativa do Ministério da Economia e da Inovação e do Ministério das Finanças, é válido até final do ano, e traduz-se na comparticipação pelo Estado de 50% do investimento total nos painéis solares.

Em finais do mês passado o Ministério da Economia fez um balanço do programa, adiantando que já foi utilizado por 20.000 habitações que instalaram sistemas solares térmicos, num investimento de mais de 65 milhões de euros (o Estado suporta cerca de metade).

Apesar de estarem no programa 50 marcas distintas de fornecedores de painéis, a Martifer Home Energy acredita que a sua tecnologia tem características capazes de vingar no mercado.

“Em primeiro lugar estamos a falar de tecnologia feita em Portugal e depois – em relação aos principais concorrentes – optou-se por uma solução que é mais cara, mas de maior qualidade, que é o depósito em aço inoxidável”, diz Miguel Barreto. Esta solução, acrescenta, tem a vantagem de ser mais resistente.

No âmbito do programa o Estado comparticipa de forma imediata um valor fixo de 1.641 euros e concede benefícios fiscais de 30% do custo do investimento em sede de IRS, num máximo de 796 euros.

Por outro lado os nove bancos associados ao programa (Banco Popular, Banif, BES, BPI, Caixa Geral de Depósitos, Crédito Agrícola, Millennium bcp, Montepio e Santander) também asseguram 100% de financiamento num crédito pessoal com condições que incluem uma taxa de juro de 1,5% mais Euribor a três meses.

Miguel Barreto manifesta-se ainda confiante de que o programa estatal de subsídios aos painéis solares vai estender-se a 2010. “Temos toda a expectativa de que sim, e nesse caso estamos à espera de instalar muitos mais painéis que neste ano”. O programa de painéis solares, acrescenta, é a grande aposta da Martifer Home Energy.

“A Martifer Home Energy já tem uma componente importante ao nível da certificação e da micro produção. Neste momento a solar-térmica é claramente a nossa aposta”, diz Miguel Barreto.

Programa Solar Térmico com investimento de 65 milhões

20.000 Habitações já tiraram partido do programa Solar Térmico 2009 e instalaram sistemas solares térmicos, num investimento que totaliza mais de 65 milhões de euros, metade dos quais é suportado pelo Estado.

Em comunicado feito pelo Ministério da Economia e da Inovação afiram que “nos primeiros seis meses de execução do Programa Solar Térmico 2009 cerca de 20.000 habitações instalaram sistemas solares térmicos ao abrigo deste Programa”, o que corresponde “a mais de 65.000 m2 de painéis instalados, num investimento global de mais de 65 milhões de euros, comparticipado pelo Estado em cerca de 50%”.

Estes resultados, afirma o Governo, “equivalem a triplicar a área de painéis solares instalados anualmente no parque residencial existente, significando o aumento da actividade económica global no sector em mais de 20% face ao ano anterior, duplicando a actividade em apenas dois anos”.

Relativamente a Fevereiro deste ano o Governo salienta que existe uma melhoria no que diz respeito à produção industrial de painéis solares e no sector da instalação e manutenção de equipamentos. “Mais cinco novas fábricas ou linhas de produção de painéis solares estão em funcionamento, para além de três novas unidades de produção de cilindros, sendo também importante o dinamismo criado nas actividades de componentes metálicos e montagem de estruturas de suporte”.

Assim, já existem “6.262 instaladores certificados habilitados a instalar painéis solares de acordo com os níveis de qualidade pelo programa, comparando com 2.362 instaladores certificados no final de 2008”.

O Programa Solar Térmico 2009, da iniciativa do Ministério da Economia e da Inovação e do Ministério das Finanças e da Administração Pública, é válido até final de 2009. A comparticipação estatal atinge 50% do investimento total.

Manutenção dos sistemas solares térmicos.

Com o protocolo do estado, a manutenção preventiva dos equipamentos está garantida durante o período de garantia (6 anos). Esta manutenção inclui as seguintes tarefas:

• Limpeza dos colectores.
• Verificação do circulador.
• Afinação do caudal e pressão do circuito solar.
• Verificação do vaso de expansão.
• Ajuste de pré-carga (se necessário).
• Verificação da concentração de fluido anti gelo.
• Verificação do Ph do fluido anti-gelo.
• Verificação do estado da estrutura.
• Verificação dos elementos de segurança dos colectores e grupo de circulação.
• Verificação das sondas de temperatura da instalação e do colector.
• Verificação visual do depósito instalado (Água quente sanitária).
• Verificação do ânodo de magnésio do depósito (Água quente sanitária).
• Verificação da válvula de segurança, (Água quente sanitária).
• Verificação e regulação da válvula misturadora termostática, (Água quente sanitária).
• Renovação, se necessário, do líquido solar no circuito ou reposição da pressão no circuito fechado
• Purgar colectores e grupo de circulação.
• Verificação do bom funcionamento de relógios, termóstatos e programadores.
• Mão-de-obra necessária à substituição de peças.
• Fornecimento de juntas, se for necessário devido às operações de manutenção.
• Inspecção visual da instalação solar.